Um pouco de Chico

SONHANDO COM UM LAR
 O Chico é muito estimado por todos em Pedro Leopoldo. Todos lhe querem bem, homens, mulheres e crianças. Um grupo de senhoras comentava a solteirice do Chico, quando ele passava. E uma delas: —  Falávamos coisas boas de você, Chico. Que você deveria casar­se, ter  uma companheira, um lar seu, viver assim diretamente para alguém... — Agradeço­lhes muito, mas, minhas irmãs, cada um tem a missão que pediu. Abraçou­as satisfeito e partiu. E foi pensando no que lhe disseram as caras irmãs. À noite, a sós, no seu  quarto, veio­lhe à lembrança, de novo, aquele assunto de casamento. Entrando em colóquio com a sua consciência, entendeu que era de fato, muito infeliz. Escreveu uma carta ao seu grande amigo Manoel Quintão e nela exteriorizou seu estado  de alma combalido. Era ele, terminava, como uma árvore seca, de galhos mirrados, sem ninhos, sem flores, sem frutos. E dormiu. Sonhara um lindo sonho. Alguém, com quem conversava, certamente inspirado pelo seu  querido Guia, explicava­lhe: — Chico, você sabe bem entender a lição do perfume no vaso. Enquanto aí está, apenas beneficia o vidro que o prende. Fora do vidro, perfuma a tudo e a todos. Você, Chico, procure viver não apenas para uma pessoa, mas sim para muitos. E na tarefa, com Jesus, você não se pertencerá porque estará a serviço dele. Lembre­se de que o perfume do Evangelho pertence a todos. E Chico acordou mais alegre. Ficou satisfeito com a sua tarefa; apenas não pode acreditar que seja perfume... Mas sua irmã Geralda, a quem conhecêramos em Belo Horizonte, justificando os elogios que lhe fazíamos do irmão, dizia­nos: — Não, ele não é nosso irmão apenas. Foi, tem sido e é: — a nossa Mãe. 

0 comentários:

Postar um comentário

Labels

Aurora Boreal/Grupo C.E. Tecnologia do Blogger.

Mapa

Free Visitor Maps at VisitorMap.org