Programa Corrente de Fé.




Como fazemos todos os dias,nos reunimos aqui por alguns minutos para orarmos e esquecer um pouco da correria do dia a dia juntamente com nossa devoção a Maria


 
                 

Ave-Maria, cheia de graça!
O Senhor é convosco
Bendita sois vóis entre as mulheres
E Bendito é o Fruto do vosso ventre, Jesus
Santa Maria Mãe de Deus,
Rogai por nós os pecadores
Agora e na hora de nossa morte. 
Amém


       

Que assim seja!!!






  • Vamos nos concentrar para tomar a água.













    • Imagens que passam em nosso Tumblr


      Parecer
      Tomado

      The Pursuit of Desire





      Imagens que passam em nosso Tumblr




      Momento Espírita

       Educação da alma
      São de conhecimento geral os benefícios que a educação pode trazer para os indivíduos e para a sociedade.
      Não se cansam os dados estatísticos de nos provarem que a escolaridade de um povo está vinculada à sua saúde, expectativa de vida, bem-estar.
      Todos os estudos na área comprovam que, a cada ano de estudo, de instrução que um indivíduo se submete, corresponde a uma proporção em seu ganho salarial médio.
      Pessoas mais instruídas, com mais estudo, têm condições de melhor realizar opções, de mais claramente fazer suas escolhas e tomar efetivamente o leme de sua vida.
      Não é por outro motivo que há um fenômeno mundial onde cada vez mais as pessoas se escolarizam. A cada década, maior é o número de pessoas que elege a instrução como prioridade no seu planejamento de vida.
      Busca-se com entusiasmo o enriquecimento da mente, o investimento cultural, fazendo-se com que as capacidades intelectuais sejam incentivadas à exaustão.
      Pais matriculam seus filhos em escolas de idiomas, em aulas de reforço escolar. Jovens recém-saídos da faculdade buscam a pós-graduação, cursos de aprimoramento, de complementação da formação.
      Nada obstante essa preocupação com o intelecto, justa e adequada, poucos são aqueles que buscam outra educação.
      Embora educar a mente e intelectualizar-se constitua progresso e conquista valiosa, educar o coração é tarefa desde sempre adiada.
      Sabemos muito bem como buscar a melhor escola, como traçar o melhor plano de carreira, como investir na formação intelectual.
      E esquecemo-nos de como fazer com que o coração aprenda valores nobres, como fazer com que a alma se exercite nas virtudes do bem e do belo.
      Somos incentivados a ser o mais inteligente. Poucas vezes nos preocupamos em ser o mais bondoso.
      Buscamos ser tecnicamente o mais preparado em nossa profissão. Porém, não nos preocupamos em ser moralmente o mais íntegro em nossa sociedade.
      *   *   *
      Vivemos em função da instrução do intelecto e esquecemos de educar os sentimentos.
      Por consequência, somos uma sociedade altamente tecnológica e progressista, mas moralmente comprometida e abandonada.
      Se hoje políticos se permitem a corrupção e o desvio do seu compromisso público, é pela falta de valores morais consistentes.
      Se tantos se mostram intolerantes com o seu próximo, chegando às raias da violência física e verbal, é porque lhes falta a educação da alma.
      Nesses dias de intensa conquista intelectual, faz-se urgente que iniciemos, com o mesmo afinco e apreço, o processo de educarmos nossa alma.
      Analisar os valores que hoje carregamos para, aos poucos, substituí-los por outros, melhores e mais saudáveis.
      Nossa sociedade será mais justa, pacífica e nobre, quando cada um de nós iniciar o processo, individual e urgente, de educar a alma, com a mesma energia que até hoje temos empregado na educação do nosso intelecto.

      Redação do Momento Espírita.
      Em 21.04.2012.

      LIÇÃO DE VIDA

      Para comemorar o aniversário de seu único filho, um poderoso rei resolveu fazer uma grande festa para todos os seus súditos.
      Entre as muitas atrações da festa, existia um desafio que interessou a todos: a escalada ao poste.
      No alto do imenso poste, havia uma cesta repleta de ouro e de comida. Aquele que conseguisse alcançar o topo poderia se deliciar com a comida e pegar para si todo o ouro.
      Muitos dos que estavam presentes pretendiam participar daquele desafio.
      O rei autorizou o início da prova.
      O primeiro a participar foi um rapaz alto e forte. Ele tomou uma distância muito curta e começou a subir no poste. Não tinha chegado nem na metade, quando, cansado e irritado, desistiu. Enquanto descia, dizia que o poste era alto demais e que não havia qualquer possibilidade de alguém alcançar aquele prêmio.
      Praguejava baixinho para que suas queixas não fossem ouvidas pelo rei, mas sugeriu para aqueles que se aproximavam dele que não tentassem subir, para assim, forçar o rei a diminuir o tamanho do poste.
      Alguns súditos, influenciados pelas palavras daquele jovem, sentiram-se decepcionados com o rei e foram embora.
      De repente, no meio da multidão, surgiu um menino muito magrinho, de aparência frágil. Aproveitando o tumulto criado pelo tal jovem, a criança saiu correndo e começou sua subida ao poste.
      Na primeira tentativa, nada conseguiu.
      Quando se preparava para tentar subir novamente, algumas pessoas ao redor, começaram a gritar:
      - Desista! Desista! Desista!
      Mesmo assim, o menino continuou. Parecia mais convencido do que da primeira vez. Afastou-se e, colocando toda a sua energia, se agarrava ao poste, ganhando altura com muito empenho.
      Minutos depois, após ter feito um inacreditável esforço, o menino, diante do olhar admirado de todos, atingiu o topo e a cesta cheia de ouro e comida.
      Alguns o aplaudiram; outros não acreditaram, ou apenas comentaram a atitude daquela criança.
      O rei, admirado pela determinação do vencedor, imediatamente foi procurar o pai do menino para entender o que aconteceu:
      - Meu senhor, como esse menino, tão pequeno e fraco conseguiu alcançar um objetivo tão difícil, enquanto todos o estimulavam a desistir?
      O pai do menino, sorrindo com o filho nos braços, esclareceu:
      - Duas coisas incentivaram o meu filho a agir desta maneira: a primeira, foi a fome, porque há dias não comemos nada. A segunda, é porque ele é surdo e não ouviu nenhuma palavra desanimadora que lhe gritaram.
      LIÇÃO DE VIDA:
      Existem muitas dificuldades para se vencer na vida. Porém, não se pode desistir nunca. É preciso tentar quantas vezes for necessário.
      Por isso, seja firme e continue persistindo, você vai alcançar a vitória!!!

      Noticias do Meio

      Conheça os benefícios do Desprendimento


      O ato de desprender-se é traduzido pela atitude de desistir de algo, desligar-se, desapegar-se. O espiritismo afirma que esta é uma das posturas fundamentais para alcançarmos nossa evolução moral, intelectual e, consequentemente, a espiritual. Esclarece que por meio de um exercício constante, entenderemos o sentimento de posse e, realizando a mudança do apego para o desprendimento, entraremos no campo das infinitas possibilidades, na esfera do espírito criativo que entende e vive as leis que regem o universo.
       
      O espiritismo ainda revela que este exercício é bastante difícil visto que a maioria de nossos desejos está relacionada ao nosso passado recente ou de outras existências, porém, deixa claro que desprender-se não significa desistir de nossas intenções, daquilo que desejamos, ou daqueles que amamos. Pondera que estas duas posturas – apego e desprendimento é determinado pela energia que governa nossas vidas: a primeira, motivada pelo ego e a segunda por nosso Homem de Bem, aquele que conhece toda a potencialidade existente no Universo e os meios para alcançá-la.
       
      Bel César, psicóloga e psicoterapeuta, relata que o apego surge quando atribuímos qualidades falsas ou exageradas a um objeto, situação ou pessoa. Quando exaltamos as qualidades e negamos as imperfeições. Ressalta que exageramos de tal modo que nos esquecemos que somos nós quem atribui valores a este determinado “objeto”, nos esquecendo de tal forma que chegamos ao ponto de acreditar que só alguém poderá nos satisfazer, com isso, damos qualidades exageradas aos objetos, situações e pessoas por acharmos que não podemos viver sem eles.
       
      A psicóloga afirma que para mudar nossa atitude frente a um objeto de apego, temos que mudar nossa maneira de nos relacionarmos com ele, reconhecendo que estamos exagerando e, passar a não dar tanta ênfase a situação a nossa volta. Ressalta que não podemos confundir desapego com desinteresse pela vida, que desapego é ter a capacidade de relacionar-se com mais espaço, flexibilidade e liberdade. Esclarece que o antídoto do apego é a mente que entende o processo educacional da alma, que é aquele que deixa de acumular posses que não o faz melhor e que nem faz o mundo melhor. Lembra que todos temos que decidir, constantemente, se algumas coisas devem manter seu curso em nossa vida ou se estariam melhor em outros lugares.
       
       
       
       
       
       
       Bel César – Psicóloga, psicoterapeuta. Trabalha com a técnica de EMDR, um método de Dessensibilização e Reprocessamento por meio de Movimentos Oculares. Autora dos livros “Viagem Interior ao Tibete”, “Morrer não se improvisa”, “O livro das Emoções”, “Mania de sofrer” e “O sutil desequilíbrio do estresse”, pela editora Gaia.

      Noticias do Meio


      Aborto: Congresso pode reverter decisão


      O jornal Diário do Comércio publicou em seu site uma reportagem do jurista Ives Gandra Martins falando sobre o aborto de anencéfalos.
      De acordo com a tese do jurista a única saída para as entidades contra o aborto reverterem a decisão do Supremo Tribunal Federal (STF) – que autorizou o aborto de fetos anencéfalos – é apelar ao Congresso pela anulação da nova regra.
      De acordo com o advogado, o Congresso pode tomar a decisão com base na prerrogativa de que ele deveria decidir sobre a questão do aborto com a criação de legislação específica; e não o Supremo, com base em sua avaliação.
      Gandra é um dos juristas que assinaram um documento defendendo o voto contra a legalização do aborto de anencéfalo pelo STF. No documento, denominado memorial, os juristas – que formam a União de Juristas Católicos de São Paulo e União de Juristas Católicos do Rio de Janeiro – afirmam que os defensores da proibição total do aborto não foram ouvidos pelos ministros antes dos votos. Em entrevista do Diário do Comércio, Martins observa ainda que a decisão do Supremo vale e deve ser respeitada. Veja a seguir os principais trechos da entrevista:
      Diário do Comércio – Como o senhor avalia a decisão do Supremo Tribunal Federal sobre o aborto de anencéfalos?
      Ives Gandra Martins –  A decisão está tomada e vale. Eu entendo, do ponto de vista exclusivamente acadêmico, que foi uma decisão incorreta. Eu entendo que o Supremo não tem essa competência, com base no artigo 103 parágrafo segundo da Constituição Federal. O correto seria o STF esperar uma decisão por parte do Congresso sobre o assunto. Assim,  houve uma invasão de competência da Justiça no Legislativo. No mais, o direito à vida é inviolável. E nossa legislação garante que a vida começa na concepção.
      DC – Como fica agora?
      Martins – O problema é se determinar, a partir de agora, uma anencefalia com absoluta segurança. Isso não é fácil para a Medicina. Por outro lado, o direito à vida não é determinado se o feto está bem ou mal formado. Se pensarmos assim, o doente terminal também não tem condições de sobreviver, então vamos legalizar a eutanásia. A vida é inviolável, mas se você a relativiza dizendo que alguém não tem condições de sobreviver, pode-se matar esse alguém.
      DC – Como o senhor vê a atuação dos magistrados que votaram contra?
      Martins – Com todo respeito que tenho pelos ministros do Supremo, acho que o ministro (Enrique Ricardo) Lewandowski foi muito claro, ao dizer que "não temos competência para decidir"; e o ministro (Antônio Cezar) Peluso também foi muito claro em dizer que "a vida é inviolável", e o que está na Constituição não pode ser interpretado de modo diferente. E essa é a nossa posição.
      DC –Existe alguma possibilidade de reverter a posição do Supremo?
      Martins – Só se o Congresso resolver anular a decisão. Porque o Congresso pode anular, com base no artigo 49 inciso onze da Constituição [cabe ao Congresso Nacional zelar pela preservação de sua competência legislativa em face da atribuição normativa dos outros Poderes].
      DC – É a única saída das entidades contra o aborto? Pressionar o Congresso pela anulação da decisão do STF? 
      Martins – É conseguir que o Congresso reverta a decisão, dizendo que houve invasão de competência.

      Noticias do Meio

      Cresce o número de mulheres no volante


      É comum ouvirmos que “o mundo é cada vez mais das mulheres”.
      Após séculos de repressão e reclusão as mulheres conquistam cada vez mais seu espaço na sociedade, com igualdade dos direitos civis.
      Atualmente elas são maioria na hora de adquirir um veículo. As seguradoras realizam promoções especiais e oferecem produtos e serviços específicos para o público feminino. Vamos entender essas mudanças.
      As mulheres são responsáveis por uma participação significativa na economia do País. Além de consumidoras em potencial, elas alcançaram sua emancipação no mercado de trabalho, seja ele formal ou não. Um dos fatores que vem merecendo destaque é o aumento do número de mulheres no volante. Em 2006 a Volkswagen divulgou que 51% dos carros vendidos da montadora foram comprados por pessoas do sexo feminino.
      Hoje, o mercado de automóveis cresce cerca de 25% ao ano entre as mulheres. A indústria de acessórios também aumentou a produção para este público consumidor.
      As seguradoras afirmam que as mulheres costumam ser mais cuidadosas e tranquilas no volante, em comparação aos homens, e estão menos envolvidas em acidentes.
      De acordo com o Salão do Automóvel, de 2010, as mulheres levam em conta o design e o conforto do veículo.
      As montadoras perceberam esse interesse e a cada ano lançam automóveis com utilitários mais atrativos ao público feminino como espelho no quebra-sol do motorista, bancos com tecidos que não desfiam a meia-calça, maçanetas e botões que não interferem na vaidade das mulheres, como por exemplo o cumprimento das unhas.
      Os bancos também passaram a ser mais altos, proporcionando uma visão mais ampla, inclusive dos bancos traseiros possibilitando maior atenção às crianças.
      Segundo as montadoras, mulheres mais jovens, solteiras e sem filhos, ao contrário dos homens, compram carros populares sem se importarem com a potência dos motores ou mecânica mais sofisticada.
      Nas competições automobilísticas, antes voltadas somente ao público masculino, também encontramos a presença feminina nos grandes mundiais, como F-Indy e F-Truck (Danika Patrick, Bia Figueiredo, etc...)

      Para as interessadas em atualizar-se cada vez mais no meio automobilístico, existem sites exclusivos para mulheres, como http://www.mulheraovolante.com.br/

      Noticias do Meio

      A pena de morte na visão Espírita


      Pena de MorteA criminalidade vem crescendo de maneira tão alarmante, que as famílias, na sua grande maioria, já não têm o sossego e a tranqüilidade necessária para se ausentar de seus lares para um passeio, ou ver os seus entes queridos saírem de casa para o trabalho sem se questionar se retornarão vivos ou ilesos.  Essa preocupação, como não poderia deixar de ser, faz com que a maior parte da população clame por uma urgente providência das autoridades, exigindo que uma efetiva segurança seja prontamente proporcionada a todos.
      O delegado de polícia Isadino José dos Santos, apresentador do Programa Espiritismo e Segurança Pública na Rede Boa Nova de Rádio, fala à cerca da Pena de Morte, da lei humana e da lei divina. Assevera Isadino que uma das grandes preocupações da sociedade em todo o mundo, e mais especificamente no Brasil no que diz respeito à segurança pública, é o crescente aumento da violência.

      RBN: O que os dirigentes no Brasil pensam sobre a pena de morte?
      Isadino dos Santos: Em razão dessa exigência, diversas propostas vêm sendo apresentadas como solução para o problema, e, dentre elas, uma que tem causado muita polêmica, é a elaboração e legalização em nosso país, de uma lei que preveja a eliminação de todos os delinquentes considerados violentos e irrecuperáveis para a sociedade, os quais deverão ter suas mortes antecipadas, ou seja, a aplicação da pena de morte. Algumas pessoas, por incapacidade no aprofundamento do raciocínio, mesmo dizendo-se cristãs, mas, numa cabal demonstração de desconhecimento dos princípios éticos e morais, defendem essa drástica medida a ser tomada contra os criminosos, justificando que, por estarem agindo em nome da defesa social, os fins justificam os meios.
      É a violência gerando violência... ?
      O que vem a ser a violência senão o instinto animal remanescente no ser humano? Trata-se, portanto, de um impulso inconsciente que leva o indivíduo a romper todas as barreiras que se anteponha à satisfação de suas necessidades. Analisando a questão sob o ponto de vista cristão, vamos verificar que o raciocínio claro e não entenebrecido pelo ódio mostra que a violência deve ser eliminada do comportamento humano de qualquer maneira, mas jamais eliminando para isso o próprio ser humano. 
      Isso, porém, não significa que o individuo que pratica delitos deva permanecer impune. Todo aquele que comete crimes, tem que responder pelos seus atos, ou seja, precisa ser temporariamente afastado da sociedade, até mesmo para evitar que continue reincidindo na prática delituosa, mas, essa medida há ser tomada através de punições justas e humanas, e que, apesar de lhe segregar do convívio social, a pena imposta venha lhe proporcionar condições para refletir, arrepender-se do mal que praticou, reparar o seu erro e depois de readquirir as condições necessárias, poder tornar a fazer parte da sociedade.
      E como fica a Lei da Terra diante da Lei Divina?

      Sabemos que a lei humana, de acordo com o que preceitua a Doutrina dos Espíritos, só poderá ser perfeita se tiver alicerçada nas leis naturais. Se um dos Mandamentos da Lei de Deus é “não matarás” fica patente que uma norma em que o Estado autoriza ceifar a vida de um dos seus elementos, jamais será perfeita, porque a vida é um patrimônio divino e, como tal deve ser preservada mesmo nos casos de punições mais severas, e assim sendo, não é dado ao homem o poder de conferir a outro o direito de matar o seu semelhante. Para o Espiritismo, portanto, a pena de morte nada mais é do que uma das inúmeras formas de destruição abusiva praticada pelo Estado, o qual, achando-se no direito de dispor da vida dos seus membros, coloca nas mãos dos seus órgãos o poder de matar, não para fazer justiça, mas sim como forma de vingança.
      Qual a visão do Espiritismo diante da pena de morte?
      A Doutrina Espírita nos assevera que não existe nenhum ser humano voltado unicamente para a prática do mal, todos têm algo de bom dentro de si, e, sendo assim, a conclusão que se tem é que não existem criminosos incorrigíveis, e sim, incorrigidos, todos, portanto são capazes de se emendar e progredir. Deus, na sua misericordiosa e infinita bondade, por intermédio da reencarnação concede ao espírito devedor a dádiva de reparar erros cometidos no passado através de provas e expiações. Nos dizeres do professor Bismael Moraes, matar o criminoso, ao invés de fazê-lo cumprir pena que lhe permitiria a reflexão e a correção de sua vida, é cortar-lhe a oportunidade de progredir; é um ato de vingança contrário a qualquer princípio cristão.
      Desse modo, a partir do momento em que o homem, em nome de uma pretensa lei elaborada pelo próprio homem, ao invés de ajudar aquele espírito em expiação a se redimir, pretenda obrigá-lo a retornar compulsoriamente à espiritualidade, cerceando-o, assim, da possibilidade que lhe foi concedida pelo Criador de resgatar débitos anteriores, estará, também desrespeitando a lei divina.

      Noticias do Meio

      155 Anos de O Livro dos Espíritos

      155 Anos de O Livro dos Espíritos


      A redação do programa de rádio Momento Espírita abordou o tema 155 anos de O Livro dos Espíritos.
      Numa didática sequência, o livro apresenta os princípios da Doutrina Espírita sobre a imortalidade da alma, a natureza dos Espíritos e suas relações com os homens, as leis morais, a vida presente, a vida futura e o porvir da Humanidade.
      O Livro dos Espíritos é um tratado para orientar a economia, a sociologia, a psicologia, a embriologia, a ética.
      O Livro dos Espíritos é a compilação dos ensinos ditados pelos Espíritos superiores e publicado por ordem deles.
      Fundamentando-se em princípios consistentes, lógicos, sensatos, o estudo nos conduz a fé raciocinada, sem imposição e orienta que, para ser aceito, deve ser examinado com liberdade, compreendido e submetido ao crivo da razão, inegavelmente uma das mais importantes faculdades do ser humano.
      Durante esta semana, fizemos aqui referência a importância do estudo de O Livro dos Espíritos.
      Para saber mais acesse o site www.momento.com.br

      Frase do Dia

      As maneiras dizem mais que as palavras. – Emmanuel

      Saiba Mais

      Irthes Therezinha Lisboa de Andrade



      Nascida em Ubá, Estado de Minas Gerais, no dia 21 de agosto de 1925, e desencarnada na mesma cidade aos 15 de julho de 1977.
      Era filha de Virgílio Ferreira de Andrade e Maria do Carmo Lisboa de Andrade. Seu pai era conhecido tipógrafo daquela localidade, fundador de vários jornais, muito querido e acatado pelos seus conterrâneos.
      Irthes Terezinha cursou as primeiras letras no Grupo Escolar Cel. Camilo Soares e fez o curso normal no "Sacre Coeur de Marie", onde se diplomou professora primária. Logo após a sua formatura foi nomeada para lecionar no Ginásio Municipal Raul Soares, de cujo estabelecimento se tornou secretária até 1976, quando se afastou por motivo de grave enfermidade.
      Na mais tenra idade começou a sentir uma série de anomalias, o que foi motivo de grandes preocupações para seus pais. Apesar dos constantes cuidados médicos, a Medicina não conseguiu diagnosticar a causa de seus males, que se manifestava por visões atormentadoras, suores noturnos e outras manifestações que lhe infundiam grande terror. Quando esgotados todos os recursos médicos, seu pai, que já era convicto das verdades contidas no Espiritismo, apesar dos protestos de sua mãe, que era de formação católica, levou-a a um médium, através do qual o benfeitor espiritual afirmou que ela era uma criança destinada a uma grande tarefa na Terra. Nessa época, com sete anos de idade, ela experimentou sensível melhora.
      Por influência de sua mãe, Irthes Terezinha criou-se muito apegada às tradições católicas, entretanto, não se conformava com alguns dogmas e ensinamentos dessa religião. No início de 1945, pediu ao seu confessor alguns esclarecimentos sobre a existência do inferno e dos demônios. Foram tão absurdas as respostas e explicações do sacerdote, que ela deliberou se afastar definitivamente do seio da Igreja.
      Sua mãe também foi acometida de violenta perturbação espiritual, o que fez com que seu pai apelasse para o Espiritismo, através do qual ela teve cura total, pois a enfermidade regrediu imediatamente.
      À vista desse fenômeno, quando a paz voltou ao seu lar, Irthes Terezinha interessou-se sobremaneira pela leitura de "O Evangelho segundo o Espiritismo", ali encontrando resposta para a sua perene indagação interior sobre as vidas sucessivas. Nesse repositório de ensinamentos consoladores ela encontrou explicação para suas dúvidas e conseguiu varrer da sua mente a sombra da dúvida que ali existia sobre a bondade incomensurável do Criador.
      A partir de junho de 1945 integrou-se no Centro Espírita Ismael, da cidade de Ubá. Ali se desenvolveram as suas faculdades mediúnicas, principalmente da psicografia e psicofonia. Desde então dedicou-se de corpo e alma à tarefa de evangelização das crianças, o que fez durante 32 anos consecutivos.
      Teve notável vocação para a música e poesia, entretanto, não conseguiu condições para o cultivo dessas artes. Após o desenvolvimento de suas faculdades mediúnicas, começou a psicografar versos muito imperfeitos, sem identificação dos autores espirituais. Em 1950, numa reunião particular na cidade de Leopoldina (MG), com a presença do médium Francisco Cândido Xavier, ela recebeu o primeiro soneto assinado. Após a reunião, o Chico Xavier informou que uma plêiade de poetas da espiritualidade desejava trabalhar por seu intermédio. Dessa data em diante começou a receber verdadeiro Parnaso do Além, assinado por grandes poetas, antigos e modernos, tais como Júlio Diniz, Antero de Quental, Auta de Souza, Valado Rosas, Azevedo Cruz, Casemiro Cunha, Maria Dolores, João de Deus e tantos outros, paralelamente com mensagens de incomparável beleza, recebidas do Espírito Bezerra de Menezes e muitos outros luminares da Espiritualidade. Muitas dessas mensagens foram publicadas em órgãos da imprensa espírita, inclusive na revista "Reformador", órgão da Federação Espírita Brasileira.
      Graciosa, de palavra meiga e evangelizada, foi oradora de numerosas semanas e solenidades espíritas no Interior do Estado de Minas Gerais e nas cidades de São Paulo e Rio de Janeiro e outras.
      Foi oradora da primeira Semana Espírita de Bicas (MG), recebendo ali grande homenagem.. No momento de deixar a cidade, foi cumprimentada por um grupo de espíritas de renome, dentre eles o prof. Leopoldo Machado, Amadeu Santos, Jacques Aboab, Sebastião Lasneau e Germano dos Anjos.
      Em sua biografia, escrita no dia 02 de abril de 1977, escreveu: "Terei eu cumprido o programa traçado pelo Alto? Terei eu correspondido às esperanças de Jesus? Senti o meu renascimento vero na data em que me tornei espírita! Aí está a minha vida. Uma vida sem notas singulares, igualzinha a todas as demais que não passaram da craveira comum ..." acrescentando ainda: "O Espiritismo é o meu Céu na Terra, meu farol, minha luz, meu refrigério e tudo de bom que desejei na vida."

      O que já aconteceu no dia de hoje

      HOJE HERÓI NACIONAL, TIRADENTES É ENFORCADO NO RIO DE JANEIRO

      21 de abril de 1792
      No dia 21 de abril de 1792 era enforcado no Rio de Janeiro, Joaquim José da Silva Xavier, mais conhecido como Tiradentes, mártir da Inconfidência Mineira, patrono cívico do Brasil e da Polícia Militar, além de ser heroi nacional. O dia de sua execução é feriado nacional no Brasil.
      Nascido na Fazenda do Pombal (MG), Tiradentes ficou órfão muito cedo, fato que resultou na perda do patrimônio da família por causa de dívidas e também em estudos irregulares. Ficou sob a tutela de um primo, que era dentista e, por conta disso, recebeu o apelido de Tiradentes. Também adquiriu conhecimentos em mineração, tornando-se técnico no reconhecimento de terrenos e na exploração dos seus recursos. Em seu trabalho para o governo no reconhecimentos das terras, Tiradentes começou a confrontar as riquezas do solo, com a corrupção e a pobreza da população. Ele também trabalhou em projetos para a melhoria da infraestrutura no Rio de Janeiro, mas não conseguia verbas para todos os seus projetos. A partir daí começa a surgir em sua mente ideais de independência da colônia, já que na sua visão a metrópole Portugal emperrava o desenvolvimento do Brasil.
      De volta a Minas Gerais, iniciou junto às elites locais e a líderes religiosos um movimento pela independência daquela província, inspirado também na independência das colônias dos EUA. Outro fator que motivou sua militância neste sentido foi a questão dos impostos cobrados pela coroa portuguesa, como o Quinto, taxa semestral imposta aos moradores de Minas Gerais, que consistia  em cem arrobas de prata para a Real Fazenda. Também houve uma troca de poder na província, com a nomeação do governador Antônio Oliveira Meneses, que beneficiou seus amigos em detrimento da elite local. O estopim, contudo, foi o anúncio de uma cobrança que ficou conhecida como derrama, medida que permitia a cobrança forçada de impostos.
      Estava a armada a insurreição que iria lutar pela instituição da República. Contudo, antes que houvesse a revolução, no dia 15 de março de 1789, Joaquim Silvério dos Reis, Basílio de Brito Malheiro do Lago e Inácio Correia de Pamplona delataram o movimento em troca do perdão de suas dívidas com a Real Fazenda. A partir daí, Tiradentes passou a ser procurado. Ele tentou se esconder na casa de um amigo, no Rio de Janeiro, mas foi descoberto no dia 10 de maio. Além dele, outros inconfidentes também foram presos.
      Ao longo de três anos, os inconfidentes aguardaram pelo andamento do seu processo pelo crime de "lesa-majestade". Alguns foram condenados à morte, mas tiveram seu pedido de clemência atendido por D. Maria I. Apenas a sentença de morte de Tiradentes foi mantida. Alguns atribuem a isso o fato de Tiradentes ter assumido toda a responsabilidade pelo movimento e também, por outro lado, por ter uma posição social mais baixa em relação aos demais inconfidentes envolvidos.
      Em uma manhã de um sábado, após percorrer uma procissão no centro das ruas do Rio de Janeiro, Tiradentes foi enforcado. Contudo, a execução de Tiradentes, em vez de intimidar a população, acabou despertando ainda mais o sentimento de revolta em relação à dependência do Brasil como metrópole de Portugal.
      Produzida a Batalha de San Jacinto

      PRODUZIDA A BATALHA DE SAN JACINTO

      21 de abril de 1836
      A Batalha de San Jacinto aconteceu em 21 de abril de 1836 e foi o confronto decisivo da luta pela independência do Texas. Sob o comando do general Samuel Houston, o exército da República do Texas enfrentou o exército do México, dirigido pelo então presidente mexicano Antonio López de Santa Anna. Para o combate, os texanos contaram com um total de 800 homens e os mexicanos com 1.400. Esta diferença influenciou na vitória dos mexicanos. Por parte dos texanos, houve um total de 120 combatentes mortos e 40 feridos. Dos mexicanos que perderam a vida na luta, foi contabilizado um total de 630 mortos e 208 feridos. O General e Presidente foi capturado após a batalha. Depois do término da guerra, formalizou-se a República do Texas, que foi reconhecida pelo governo mexicano. Os Estados Unidos anexaram o Texas em 1845, e as reivindicações de ambas as partes não terminaram até a intervenção norte-americana entre 1846-1848.

      NASCE O POLÍTICO MÁRIO COVAS

      21 de abril de 1930
      No dia 21 de abril de 1930 nascia, em Santos, Mário Covas, destacado político brasileiro. Formado  em Engenharia Civil, ele trabalhou na Diretoria de Obras e Serviços Públicos da Prefeitura de Santos, de 1956 a 1963. Em 1962, foi eleito deputado federal pelo Partido Social Trabalhista (PST). Em 1965, após a instauração do bipartidarismo, participou da fundação do Movimento Democrático Brasileiro (MDB), pelo qual se reelegeu em 1966.
       
      No ano seguinte, por causa do Ato Institucional 5, teve o mandato cassado e os direitos políticos suspensos por 10 anos. Em 1979, após a extinção do MDB no final do ano, ajudou a fundar o PMDB. Em 1982, foi eleito para o seu terceiro mandato como deputado federal. Foi nomeado em março de 1983 secretário estadual dos Transportes e, dois meses depois, prefeito de São Paulo, cargo que exerceu até 31 de dezembro de 1985. Eleito senador em 1986 - recebeu 7,7 milhões de votos, a maior votação vista até então - atuou como líder do PMDB na Assembleia Nacional Constituinte. Em junho de 1988, foi um dos fundadores e também o primeiro presidente nacional do Partido da Social Democracia Brasileira (PSDB). Candidatou-se à presidência da república em 1989 e ao governo paulista em 1990. Foi eleito governador de São Paulo em 1994 e reeleito em 1998, porém, por conta do câncer, não conseguiu completar seu segundo mandato. Ele morreu no dia 6 de março de 2001, em São Paulo.

      MORRE TANCREDO NEVES, POLÍTICO BRASILEIRO

      21 de abril de 1985
      No dia 21 de abril de 1985 morria, em São Paulo, Tancredo Neves, advogado, industrial, administrador e político brasileiro. Sua morte aconteceu na véspera da sua posse como presidente do Brasil, fato que causou comoção nacional. Tancredo Neves havia sido eleito para o cargo pelo colégio eleitoral, na primeira eleição para presidente do Brasil após 21 anos de regime militar. 
       
      Nascido no dia 4 de março de 1910, em São João del Rei (MG), ele começou a carreira política como vereador da sua cidade natal. Depois, foi deputado estadual (1947-1951), deputado federal em cinco legislaturas e senador (1979-1983). Também foi ministro da Justiça de Getúlio Vargas (junho de 1953 a agosto de 1954), tendo passado pela grave crise política que levou Vargas ao suicídio. Em seguida, foi diretor do Banco de Crédito Real de Minas Gerais (1955-1956) e do Banco do Brasil (1956-1958), além de secretário de Finanças de Minas Gerais (1958-1960) e presidente do Banco Nacional de Desenvolvimento Econômico (1960-1961).
       
      Em setembro de 1961, assumiu como primeiro-ministro do governo parlamentarista de João Goulart, cargo que ocupou até 26 de junho de 1962. Após passar por várias legislaturas como deputado federal e também uma como senador, em 1982, foi eleito governador de Minas Gerais pelo Partido do Movimento Democrático Brasileiro (PMDB). Renunciou ao governo estadual em agosto de 1984 para disputar a presidência da república pelo colégio eleitoral, em janeiro de 1985. Venceu a eleição, mas adoeceu gravemente na véspera da posse. Morreu no 21 de abril de 1985. Mesmo sem nunca ter tomado posse, é oficialmente reconhecido  como um dos ex-presidentes do Brasil.

      Noticias do Meio

      África teria quantidade enorme de água subterrânea, aponta estudo

      ÁFRICA TERIA QUANTIDADE ENORME DE ÁGUA SUBTERRÂNEA, APONTA ESTUDO



      Um estudo detalhado sobre a escala e distribuição da água na África mostrou que o continente possui gigantescos reservatórios sob a terra que poderiam garantir o abastecimento da população e também irrigação para a agricultura. O processo para obter essa água, contudo, não seria simples. 

      Ainda de acordo com o estudo publicado na revista  Environmental Research Letters estes reservatórios teriam sido preenchidos com água pela última vez há cinco mil anos. De acordo com pesquisadores da British Geological Survey e da University College London, responsáveis pelo trabalho, as maiores reservas de água estão no norte da África. O estudo levou em conta análises dos mapas de governos dos países africanos e estudos de pouco mais de 280 aquíferos.

      Apesar da grande quantidade de água, o continente africano é castigado pela falta dela. Cerca de 300 milhões de pessoas não têm acesso à água potável e apenas 5% do território cultivável dispõe de irrigação.

      Entretanto, trazer esse recurso mineral à superfície ainda merece estudos a parte. De acordo com os pesquisadores, a perfuração de poços tubulares profundos não seria a melhor alternativa, já que isso poderia esgotar a água rapidamente. Até o momento, a melhor opção seriam simples poços e bombas manuais. Mesmo em áreas onde chove muito pouco, essas reservas poderiam durar entre 20 e 70 anos, segundo a previsão de cientistas envolvidos no estudo.

      Suadieta

      Sua Dieta
      Cardápio do dia - 21 de abril
        
      CAFÉ DA MANHÃ
      Vitamina de mamão com amaranto e mel
      Rendimento: 1 Porção
      Caloria por porção: 160 kcal
       ver café da manhã completo
      ALMOÇO
      Bisteca assada
      Rendimento: 1 Porção
      Caloria por porção: 225 kcal
       ver receita
       ver almoço completo
      JANTAR
      Sanduíche em camada
      Rendimento: 1 Porção
      Caloria por porção: 167 kcal
       ver jantar completo

      Labels

      Aurora Boreal/Grupo C.E. Tecnologia do Blogger.

      Mapa

      Free Visitor Maps at VisitorMap.org