Noticias do Meio


NOVA ESPÉCIE DE DINOSSAURO É DESCOBERTA "AO ACASO" NO CANADÁ
Nova espécie de dinossauro é descoberta

Um tipo de “parente” do Triceratops foi descoberto por pesquisadores canadenses, de acordo com um estudo divulgado no final da última semana no periódico "Canadian Journal of Earth Sciences". Chamado de Xenoceratops foremostensis, este dinossauro herbívoro e com chifres teria seis metros de comprimento e pesaria em torno de duas toneladas. Ainda de acordo com o estudo, este réptil teria existido há aproximadamente 80 milhões de anos na região de Alberta, no Canadá.

O novo dinossauro foi identificado praticamente "ao acaso" a partir de pedaços de crânios de três espécies de dinossauros que haviam sido coletados nos anos 50 e que nunca foram estudados anteriormente. Os fragmentos estavam no Museu Canadense da Natureza, em Ottawa, e foram encontrados por Michael Ryan, do Museu de História Natural de Cleveland, nos Estados Unidos, e por David Evans, da Universidade de Toronto.

Artigo relacionado

Canadian Journal of Earth Sciences



PESQUISADORES DETECTAM LUZ ESTELAR DO COMEÇO DO UNIVERSO
Pesquisadores detectam luz estelar do começo do Universo

Pesquisadores da Universidade da Califórnia, em Berkeley, encontraram uma luz estelar antiga, emitida pelas primeiras estrelas do Universo, após detectar raios gama com o uso do Telescópio Espacial Fermi. A descoberta, publicada na revista Science, destaca que estes teriam sido os primeiros objetos a se formarem em nosso universo, há aproximadamente 500 milhões de anos depois do Big Bang.

De acordo com a teoria do Big Bang, uma grande explosão teria ocorrido há 13 bilhões de anos e resultado no nosso Universo. As primeiras estrelas eram maciças e formadas principalmente por hidrogênio. É provável que este composto químico tenha queimado totalmente e as estrelas tenham explodido, o que gerou as supernovas. Apesar de que as primeiras estrelas tenham desaparecido há muito tempo, a luz emitida por elas ainda continua chegando até a Terra, de acordo com os pesquisadores.

Como não é possível detectar a luz diretamente de estrela antiga, os cientistas usaram os raios gama. Eles encontraram dados sobre luz presente no universo 4, 8 e 11 bilhões de anos após o Big Bang. A expectativa é, futuramente, seja possível medir pontos ainda mais próximos do começo do universo.

Artigos relacionados

Science

Nasa

0 comentários:

Postar um comentário

Labels

Aurora Boreal/Grupo C.E. Tecnologia do Blogger.

Mapa

Free Visitor Maps at VisitorMap.org