Noticias do meio

Fenômeno raro, redemoinho de fogo chega a 30 metros na Austrália

Considerado raro na natureza, um redemoinho de fogo foi flagrado por um cinegrafista, em Alice Springs, na Austrália. O fenômeno chegou a 30 metros de altura e durou em torno de 40 minutos, algo também considerado excepcional, já que esse tipo de formação dura normalmente dois minutos. O fenômeno foi registrado por Chris Tangey, de 52 anos, que estava a apenas 300 metros de distância do tornado, de acordo com o jornal britânico Daily Mail. Segundo Tanguey, o fenômeno produziu um barulho parecido com o de um avião caça.

Esse tipo de redemoinho acontece quando o ar quente que está subindo entra em contado com algum princípio de incêndio no solo – geralmente ocorre associado às queimadas de florestas durante secas.

Este redemoinho com labaredas, no entanto, pode ser bastante perigoso. Por sorte, desta vez não houve feridos. Contudo, em 1923, no Japão, o Grande sismo de Kantō provocou uma gigantesca tormenta de fogo que matou a 38 mil pessoas em apenas 15 minutos na região de Hifukusho-Ato, Tóquio. Em agosto de 2010, o ar seco que atingiu o estado de São Paulo provocou um redemoinho de fogo em Araçatuba, a 530 quilômetros da capital paulista.




Artigo relacionado

Daily Mail
Estudo aponta estrela com o maior campo magnético do Universo
Um estudo conduzido por um grupo de pesquisadores do Royal Military College e da Universidade Mount Allison, ambos no Canadá, confirmou que a estrela NGC 1624-2 possui o maior campo magnético do Universo, dentre as que se tem conhecimento. Descoberta há poucos meses, ela conta com uma campo magnético aproximadamente 20 mil vezes mais potente que o do Sol e também com uma massa que é 30 vezes a do nosso “astro-rei”. Além disso, seu campo magnético é ao menos 10 vezes mais intenso que os campos magnéticos das estrela consideradas as maiores até onde a ciência tem conhecimento.

Esta supernova, localizada na nebulosa de NGC 1624, na constelação de Auriga, está no crepúsculo de sua evolução, que pode ser observado nas grandes explosões de energia que produz. Estima-se que essa estrela terá uma vida em torno de cinco milhões de anos. Um fato que causou surpresa nos cientistas foi a lentidão de sua rotação: ela leva em torno de 160 dias terrestres para girar sobre seu eixo. Por outro lado, a força dos seus ventos demonstra que ocorre uma perda constante de massa solar.

Os ventos, o enorme campo magnético e as grandes explosões são as características que fazem com que supernovas como esta sejam as principais responsáveis pela estrutura química e pela evolução das galáxias.

Artigo relacionado

Royal Astronomical Society

Sci-News

0 comentários:

Postar um comentário

Labels

Aurora Boreal/Grupo C.E. Tecnologia do Blogger.

Mapa

Free Visitor Maps at VisitorMap.org